4.05.2010

O Z&A Comic Code


Vocês devem ter percebido o símbolo no header ao lado do desenho do Blacksad. Alguns mais antigos e outros que conheçam um pouco de história devem lembrar bem o que ele significa. Àqueles que não sabem, cabe a explicação.

Há muito tempo atrás quando as grandes editoras já estavam firmadas, mas tinham concorrentes bem mais fortes que os atuais, e os quadrinistas estavam em um processo desordenado de ebulição de ideias, um homem chamado Dr. Fredric Wertham escreveu um livro sobre como as HQs destruíam as crianças, base mais importante da égide familiar.

Neste livro, de título Seduction of the Innocent, ele "desnudava" os significados por trás de histórias de super-heróis, de contos de terror e de aventureiros e outros personagens clássicos dos gibis. Foi ele o primeiro a dizer em público que o Batman, depois de sua estressante ronda, relaxava seu morcego brincando com o pardalzinho do Robin.

As editoras, então, preocupadas em não tornar infantes em deliquentes e com seus lucros (tanto em perdê-los quanto em fazer com que outros não o tenham - vide caso da EC Comics) criaram o Comics Code Authority, medida preventiva que dizia que quadrinhos podiam ser lidos por qualquer um ou não. Por isso, muitas HQs da época saiam com o selo do CCA (que vocês podem ver ipse literis no header deste blog).

Pior do que a proibição, o CCA criou o preconceito. Assim, muitas crianças e jovens foram privados de boas (e algumas más) histórias porque seus pais não os permitiam comprar revistas sem o famigerado selinho. Bons autores também tiveram portas fechadas em suas caras por conta de suas ideias "ousadas", o que, no final das contas, só contribuiu para a criação das underground comix.

Hoje em dia não sei dizer se o selo ainda existe - sua última informação em meus dados remonta de 2001 (desculpa, gente, acabei não fazendo uma pesquisa melhor) - mas a verdade é que a maioria das editoras, principalmente as grandes, já chutaram o CCA pra bem longe (vide Vertigo da DC e algumas coisas da Marvel, como Foolkiller, Justiceiro, Wolverine etc.) e elas colocam o que querem em suas revistas como nudez, sexo, linguagem chula, rasgação, decepação, dilaceração e outras coisas de fazer Kratos, o detona c* greco-divino, ter orgamos múltiplos (ok, ok, os comics não estão tããão absurdos assim, mas estão caminhando para).

Enfim, o assunto real deste post. Como forma de celebrar a queda dos preconceitos, de satirizar a inocência de mentes visivelmente pervertidas, e de incentivar sempre a modernização da narrativa gráfica nunca esquecendo que é necessário sim relembrar o passado tanto para aprendermos quanto para não repetir os erros de outros, o selinho da CCA estará aqui nesse blog e ficará enquanto todos entenderem seu significado e prezarem sua inexistência como um símbolo de que ideias e pessoas não podem ser paradas, mas permitir qualquer coisa é se usar de maneira completamente irresponsável do poder (e da liberdade) que temos.

Mais informações sobre o Comics Code em (ambas em inglês):
http://lambiek.net/comics/code.htm
http://en.wikipedia.org/wiki/Comics_Code_Authority

NUNCA DEIXEM DE LER OU PRODUZIR QUADRINHOS!

Um comentário:

  1. Hereeeeeege!
    Como ousa chamar o Black sad de Black cat?

    Que vc seja currado por um milhão de furries no cio!

    ResponderExcluir