5.28.2010

Traçando o Mapa dos Quadrinhos em Fortaleza Parte 1 ou Garimpando na Sarjeta

Antes de tudo, grandes desculpas por atrasar a publicar novidades aqui. Há muita coisa pra fazer esses dias e brevemente espero trazer novidades mais grandiosas a todos. Até lá, curtam as matérias.
No dia das mães eu resolvi por em prática um plano que eu tinha em mente desde a época em que a Fanzine era na 13 de Maio (ok, essa foi bem piada interna pra quem vive em Fortaleza, desculpa): criar um mapa de meus pontos favoritos para se adquirir ou pesquisar quadrinhos na cidade de Fortaleza. Enfim, enquanto procurava os melhores presentes com as melhores ofertas para todas as mães da minha vida (a minha, a sogra, a avó, umas sete tias...) aproveitei que estava munido da câmera digital do amigo Marcus (vejam seus desenhos em nosso flickr) e saí em minha primeira busca dos espaços de HQs da Cidade Luz. Confiram o resultado.

Gibiteria Ravena

Ravena, além de uma vilã e integrante dos Titãs, também é uma cidade da Itália. Independente de ter tido essa ou aquela origem, é um nome muuuuito legal pra uma gibiteria. Em um espaço quadrado, aparentemente 10mx10m (haha), encontram-se várias estantes com quadrinhos (do meu, do seu e de outros tempos), DVDs, romances, revistas diversas, livros de RPG, colecionáveis, pôsteres, pornôs diversos, etc etc etc. Um lugar "aconchegante", com preços acessíveis e um atendimento bacana e educado. É meu lugar favorito para comprar HQs. As coleções deles de revistas antigas não é a melhor da cidade, mesmo assim possui muita coisa interessante, barata o bastante para colecionadores mais lisos e (graças a Deus, apesar de não todas) bem cuidadas. Seu grande diferencial, no entanto, além dos preços, é a quantidade de colecionáveis. São poucos, é verdade, mesmo assim muitos se comparados às possibilidades de se encontrar bonequinhos do gênero em Fortaleza fora do ebay. Quando fiz a visita que gerou essa matéria tinha um Alien e um Predador lá (Caramba! Muito legal). Os fãs de séries antigas também podem ficar felizes, há um interessante arsenal de DVDs lá, assim como álbuns de figurinhas, filmes e pornochanchadas do tipo que não se encontram em qualquer esquina. Os fãs de RPGs saudosistas terão orgasmos. Vez ou outra aparece um suplemento de AD&D por lá e certa vez vi os tão famigerados livros bases (Monstros, Mestre, Jogador e Forgotten Realms) em um pacotinho de R$150! Os TEXanos também se sentirão felizes, pois sempre tem uma edição especial ou revista um pouco mais antiga em alguma das prateleiras e mesmo Epopeia Tri já foi vendida lá (o pai de uma amigo meu comprou). Mas, atenção, Ravena deve sempre ser visitada porque seu estoque é bem rotativo.

Base de Operações: Rua Solón Pinheiro, 279 - Loja 04 - Centro, esquina com Duque de Caxias, próxima ao Parque das Crianças (Fone 8813.9979).

Gibiteria e Sebo Fanzine

Talvez um dos nomes mais criativos de uma gibiteria em Fortaleza, a Fanzine também é uma das mais "tradicionais". Seu acervo é bem vasto, mas seus preços são um tanto mais salgados que os da Ravena. Muito boa para colecionadores, pois desde épocas hermas é um sebo, há um considerável número de adoráveis velharias, como o encontro de Superman e Homem-Aranha, a primeira edição do cabeça-de-teia pela Abril, revistas da primeria formação dos Titãs, Crise das Infinitas Terras e outras coisinhas maravilhosas (foram vistas lá quando visitada, então não garanto que ainda estejam), fora Graphic Novels de várias eras. Para quem gosta de bótons, camisas, correntinhas, etc. há uma considerável quantidade desses acessórios, principalmente aos fãs de games e cultura japonesa (tem uma corrente que é a espada do fode c* de divindades gregas, Kratos, e uma outra que é a espada de Ichigo! Muito bem feitas por sinal). O legal desses bagulhos é que boa parte deles são produzidos aqui mesmo em Fortaleza, inclusive os pouquíssimos bustos, estatuetas e miniaturas. Outra coisa bacana é a quantidade de acessórios para RPGistas. Além, lógico, de livros, há dados (quando jogava era onde eu comprava meus roladores numéricos), cards, minis, bases, terrenos, mapas... Em minha visita, e isso foi novidade para mim, havia um grupo de jogadores em seu primeiro dia de mesa no local (confiram as fotos do nosso flickr), uma atitude que todas as gibiterias deveriam ter: criar um espaço lúdico (mesmo que um pouquinho apertado).

A Fanzine está em meu coração desde que voltei a morar na cidade. Foi a primeira gibiteria que entrei na vida, ainda na extinta loja da Treze de Maio (leia aqui minha tristeza quando esta loja fechou), perto dos campus de humanidades da UECE e UFC e perto do CEFET. Foi lá que comprei meu primeiro dado de RPG (o bolão), meus primeiros livros de Sci-fi (antes eu só ganhava), uma fita do Perfect Blue (quando os funssubs ainda viviam de cassetes), minha primeira edição de Evangelion e também foi lá (na verdade, na loja do Centro) que eu vendi minhas coleções de Homem-Aranha, Teia do Aranha, Rei Conan, A Espada Selvagem de Conan, Wolverine e Super Aventuras Marvel (talvez um de vocês, leitores, tenha comprado alguma revista minha). Depois disso e do fechamento dessa filial, "nosso relacionamento" se tornou mais morno, mas ainda a visito e a cada dois meses contribuo para o crescimento financeiro do local comprando algumas velharias ou camisas.

Base de Operações: Rua Pedro I, 583 - Centro (Fone 3252.3660)

A Praça José de Alencar e Arredores

Cartão-postal de Fortaleza em algum momento de sua história, a praça José de Alencar e seus arredores deveriam ser espaços para "procriação/evolução/germinação/transmissão" (e outros vocábulos "orgânicos") de arte. Assim, quando a elite cultural da Terra do Sol preferiu salvaguardar o teatro que dá nome à praça e sua área interna como pólo artístico classe A, deu espaço às comunidades "undergrounds" (ok, tentei não por uma expressão tão pejorativa quanto "marginais", mas acho que não funcionou...) se proliferarem em torno dele. É nesse ambiente que os grandes (e aventureiramente corajosos) garimpeiros de quadrinhos surgem, descobrindo o impossível entre montes desordenados de HQs que dividem seus espaços com antigas revistas Playboy, pornôs (perceberam que eles estão em todas?) que vêm do tempo dos seus avós, livrinhos de romances de meia hora como Júlia, Cláudia, Fabrícia, Roberta, Bruna e derivados e colecionadores/vendedores/trocadores/escambistas/vampiros desgraçados de figurinhas. Enfim, há uma enorme quantidade de clássicos e boas histórias esperando que alguém as encontre e coloque-as em seu devido lugar. Um amigo meu certa vez encontrou a primeira edição de AKIRA pela Abril por R$1,00, falta achar as outras 29 (se eu bem não me engano...).

Enfim, como não dava pra visitar todos as "cavernas" deste espaço. Listo duas pra vocês:

Banca Cláudia

Essa é do tipo "sente e procure", ou fique em pé já que lá não tem espaço para sentar. Há muita coisa em seu pequeno espaço e apesar de estar tudo meio amontoado é possível encontrar algumas revistas dos spandex americanos, nacionais e europeus - pra mim um grande diferencial. Apesar de TEX ainda ser a HQ Bonneli mais comum, não é difícil encontrar uma Dylan Dog (ahh, o desejo de uma melhor edição desse personagem no Brasil), Mágico Vento, etc. Grande quantidade de romances de 30min para comprar e trocar (vocês sabiam que existem um grupo não divulgado de garotas que vivem fazendo isso?), os quais também servem como cartão da loja que eu vou escanear e colocar pra vocês no nosso flickr. Claro que tudo no charme da organização de uma banca no Centro.

Base de Operações: Rua General Sampaio "defronte" a Galeria Prof. Brandão, Praça José de Alencar, Centro

Banca Ravena

Ok, falei da Gibiteria, mas os caras também têm banca num dos pontos mais ilustres da cidade! Salvo as devidas proporções, é o mesmo material impresso de sua sede central, mas nunca se deve menosprezar uma aparente fonte menor, por isso, quem visitar dê-se a chance de escavocar um pouco mais, pois poderá encontrar muita coisa interessante nas seções mais escondidas. O atendimento é legal e como é de praxe da Ravena e das bancas do TJA o precinho é de amigo.

Base de Operações: Rua General Sampaio, 930. Praça José de Alencar em frente ao Ponto da Moda (Fones 3231.8202 e 8829.6775)

E é isso pessoal, na última sexta-feira do próximo mês mais uma matéria de onde encontrar quadrinhos numa das mais bonitas cidades litorâneas do Brasil.

6 comentários:

  1. Excelente matéria!! Dia desses é que tive oportunidade de conhecer a Ravena (que fica razoavelmente próxima do meu apartamento), muito legal, mas reconheço que preciso ter um pouco de paciência pra procurar as HQ´s por lá.

    ResponderExcluir
  2. Nem me fale... A verdade é que na maioria desses lugares a gente tem de realmente garimpar coisas boas. Na Ravena gosto muito da coleção de Heavy Metal de lá. Valeu pela visita, Geraldo. E quando puder, divulga.

    Abraço e volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Fabricio "CrazyMan" Machado2 de junho de 2010 02:03

    Caaaaaaaaaaaara, vc me alavancou por uma verdadeira viagem no tempo. Quadrinhos estão na minha vida há pelo menos 17 anos, e com certeza essas bancas (não tanto a Ravena da Solón Pinheiro) foram cenário de procuras demoradas de raridades, sob os olhares (as vezes nem tanto) "curiosos" dos que nelas trabalhavam. De cara me lembro de três histórias curiosas:

    - Certa vez eu andava pelo centro e achei uma nota de 5 reais. Nisso eu fui na Ravena da Praça José de Alencar, ver se eu achava algo por lá. Curiosamente, no bolo das edições de formato americano estava a edição no. 1 do Akira!!! Por apenas 3 reais!!! (A Akira no. 1 é vendida a R$ 39,90 na Revista e Cia.). E estava semi-nova, apenas alguns amaçados! Sem pensar duas vezes, comprei-a. Na época estava sendo lançada a mini-série "Batman vs. Aliens" (a primeira), que custava na Fanzine R$ 20,00, e eu queria muito essas revistas, pois eu já tinha lido sobre e tinha achado bacana. Nisso eu continuei andando e, quando passo pela Fanzine, encontro um colega, que de pronto se interessou na minha edição da Akira. Resultado: Vendí a no. 1 do Akira por 25, comprei a Batman Vs. Aliens, as duas mensais do Aranha da época (Homem Aranha e teia do Aranha) e ainda tomei uma Coca gelada...

    - O segundo causo ocorreu qdo eu "tinha" assinatura de quadrinhos. Na verdade, o meu pai tinha uma amiga na distribuidora da abril que era próximo de onde eu morava (isso era por volta de 1996). Nisso, meu velho conseguia pacotes da Marvel, DC e algumas vezes da Disney, alavancando minha coleção. Como eu nunca fui fã declaraaaaaaado da DC, nem das equipes mutantes da marvel, eu acaabava separando as revistas do Aranha (esse sim, sempre fui fã declarado...olhe meu netbook e verás que isso é verdade!), umas do Batman, uma ou outra mais e o restante era destinado ao escambo. Em um determinado momento da miha vida, eu me ví sob a necessidade de vender as minhas revistas para poder comprar algumas outras, já que as vacas nem andavam, quanto mais andar magras. E todo mês eu separava as minhas edições do Aranha e ia até a Fanzine vender o restante, me valendo alguns trocados (e muita dor no coração)...

    - Ainda no período acima citado, fui certa vez na ravena, e meu pai, um sujeito de "personalidade forte" foi comigo. Chegando lá, perguntei se ele comprava revistas e ele (infelizmente) disse que sim. Contas feitas, na hora em que eu achava que receberia em dinheiro, ele disse: "Pode escolher suas revistas" De pronto meu pai já gritou: "Como assim, seu pilantra"...o resto eu deixo no subconsciente dos leitores do blog desse meu grande amigo Luis, com quem ainda conversarei um bocado sobre nerdisse. Abraço, meu caro! agora que sei o caminho, voltarei mais vezes!

    ResponderExcluir
  4. Aí, galera, acabaram de descobrir quem comprou a Akira do post. (hahahaha)

    Meu grande amigo Fabrício! Muita alegria tenho em vê-lo por aqui, como sempre sendo seguido por vc em algum lugar da rede. A gente deveria se mancar e fazer um projeto juntos, não é verdade? Pense nisso e vamos ver o que podemos fazer.

    Cara, vender revistas, comprar, trocar, colecionar... Essa é a vida de um liso que quer ter contato constante com comics (hahahahaha). Participo de suas histórias como alguém que já viveu algo parecido.

    Seja bem vindo a este lugar tão nerd meu. A gente tem de se encontrar e conversar mais vezes.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Opa, excelente post.
    Acabei descobrindo a Ravena que fica em um local bem acessível pra mim.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Rapazes... e pensar que eu tenho quase todas essas revistas que falaram aqui... Akira (todas elas e algumas encadernadas), Dylan Dog (quando saiu a primeira vez), sandman, e tantas outras. Nessas férias vou tirar um tempo para organizar tudo, separar, fotografar e vender... Minha esperança era de que um dos meus filhos tivessem o mesmo gosto que eu... Em 1994 parei de compra-las para garantir o leite deles... 16 anos depois chegou a hora de passar para frente... Só não sei bem quanto cobrar... só sei que venderei apenas o pacote todo... em retalhos nem pensar...

    ResponderExcluir